Pular para o conteúdo

26 de março de 2017

Coluna do Samurai: MI Umetsubo

por marcelopomar

Saudações, enxadrista! Há alguns dias, a Fide homologou meu título de Mestre Internacional. Agradeço aos inúmeros parabéns que recebi.

Fizeram-me muitas boas perguntas. Acho que as respostas são do seu interesse.

Sobre o que pensei no dia seguinte?

Pensei muito nos meus mentores, pois alcancei a titulação de alguns deles: Hélder Câmara, Gerardo Lebredo e Jefferson Pelikian me treinaram por longos períodos e Antonio Resende e Alejandro Moreno (Cuba) por períodos curtos.

Os mentores que ainda não alcancei são Everaldo Matsuura e Gilberto Milos. Agradeço os ensinamentos de todos.

tsubero

Quais são as recompensas das titulações?

Mestre Nacional (NM) – Conta diamante no servidor chess.com e 50% de desconto nas inscrições nacionais.

Candidato a Mestre (CM) – Conta diamante no chess.com e um abraço.

Mestre Fide (FM) – Conta diamante no chess.com, um beijo e um abraço.

Mestre Internacional (MI) – Conta diamante no chess.com, conta gratuita no ICC, isenção em vários torneios e convite para alguns!

Grande Mestre Internacional (GM) – Conta diamante no chess.com, conta gratuita no ICC, conta gratuita no Chess24, isenção na maioria dos torneios, cachê em alguns, e a honra de entrar pra lista dos Cavaleiros de Ouro do xadrez brasileiro.

umetsubo-observa-yago

Por que vou querer estes servidores, se eu tenho lichess?

Estes servidores têm muitos vídeos de bons mestres e grandes mestres. A maioria deles está em inglês. Alguns em espanhol. Logo, crianças, valorizem as aulas de idiomas do colégio. (Obrigado, professora Maria Isabel, que teve tanta paciência comigo.)

Qual é a maior diferença em ser MI?

A maior diferença é a felicidade dos meus adversários em me vencer. Agora quando eles me vencem, o sorriso deles vai de orelha a orelha, e isso é muito legal.

Você vai escrever um livro ou algo assim?

Algo assim. Não me sinto na pilha de escrever um livro nem analisar as partidas dos melhores jogadores da atualidade. Acho que Krikor e Leitão já dão uma cobertura legal para o xadrez de alto nível, lá de fora.

Meu mestre Hélder escrevia todo sábado, uma coluna no Diário de São Paulo. Geralmente, tinha um diagrama problema, novidades do xadrez internacional e uma partida analisada.

Para muitos enxadristas, sua coluna era a aula de sábado que eles compravam nas bancas por dois reais. Ele escrevia bem pra caramba. Contava história, criticava a Fide, elogiava a Judit, e ainda rimava.

Você pode encontrar suas colunas em dois livros “100 Crônicas de Xadrez” (com crônicas também de seu irmão Ronald Câmara) e “Diagonais, Crônicas de Xadrez”.

Bom, eu pedi pro Pomar um espaço para escrever aqui no Xadrez do Brasil. E se isso foi publicado, é porque ele liberou. (risos)

Como minha maior inspiração pra isso foi o MI Hélder Câmara, vamos analisar uma partida dele. Estique um tabuleiro, bote as pecinhas. Tente adivinhar e compreender os lances. Não deixe que o computador pense por ti. Eu coloquei diagramas em posições que valem como exercícios. Quando surgir um diagrama, tente não ver a continuação!

tsubo podio

Hélder Câmara – João Souza Mendes

Campeonato Brasileiro, Recife 1963.

Fonte: http://www.brasilbase.pro.br

1.d4 Cf6 2.c4 d6 3.Cc3 Cbd7 4.e4 e5 5.Cf3 Be7

O heptacampeão João Souza Mendes opta pela Defesa Índia Antiga.

A alternativa era a Defesa Índia do Rei, que é um pouco mais ambiciosa, via 5…g6 6.Be2 Bg7 7.0–0 0–0.

6.Be2 0–0 7.0–0 Te8 8.Dc2 c6

Um lance importante da Índia Antiga, com muitas funções:

  1. a) permite a passagem da dama para várias casas interessantes;
  2. b) restringe os pulos do cavalo de c3;
  3. c) apoia futuros avanços como, b7–b5 ou d6–d5.

9.b3

Uma conduta calma.

Eu gosto mais de 9.Td1. A coluna d é uma boa coluna para esta torre. 9…Dc7 10.h3, para jogar Be3 sem o incômodo Cg4. 10…Cf8 11.Be3. Compare o posicionamento deste bispo com o da partida, que ficará em b2. Aqui ele mira para a ala da dama e não obstrui a ação de nenhuma torre. Isto permite planos mais agressivos na ala da dama, com b2–b4, ao invés de b2–b3. 11…Cg6 12.Tac1 Bd7 13.b4, com clara vantagem para o branco. Beliavsky – Carlhammar, Gibraltar 2009.

9…Dc7 10.Bb2 Cf8

10…Bf8 é uma conduta bem diferente. O preto usa planos ortodoxos da Índia do Rei. 11.Tfe1 exd4 12.Cxd4 Cc5 13.Bf1 a5. O branco deve ter uma vantagenzinha bem merreca.

11.Tfe1 Cg6 12.h3 Bf8 13.Bf1 Bd7 14.Tad1 Tad8 15.g3

Captura de Tela 2017-03-26 às 18.11.08

Pare e pense!

O preto tem um desenvolvimento razoável. E o branco está fazendo lances úteis, sem comprometer muito a direção do jogo.

Qual plano fez Souza Mendes?

O seu plano provavelmente será diferente, mas não necessariamente ruim. Dialogue com seu colega de treinamento sobre a posição. Se ele for de força próxima à sua, é interessante jogar esta posição para testar seu plano.

 15…h6

Enquanto Hélder Câmara faz lances curtos e úteis, Souza Mendes inicia um interessante plano na ala do rei.

16.Bg2 Ch7 17.Rh2 Cg5

Parece que ameaça Bxh3.

18.Cxg5

Será que o preto ameaçava mesmo Bxh3? Vejamos: 18…Bxh3 (Se 18…exd4 19.Cxd4 não existe mais o golpe com Bxh3) 19.Cxg5 Bxg2 20.Rxg2 (Se 20.Cxf7? Bf3 o cavalo branco não se salva.) 20…hxg5 21.d5! O preto ganhou um peãozinho podre e de presente, ficou com um bispo podre também.

18…hxg5

Aqui fica visível o plano que iniciou no lance 15…h6.

O preto tem peões dobrados em g. O branco um peão atrasado em h3.

O plano de Souza Mendes é passar uma torre para a coluna h e pressionar h3.

19.d5

É difícil montar um plano para o branco sem d4–d5. Vamos tentar algo na ala da dama. 19.a4 exd4! 20.Txd4 Ce5. O cavalo fica ótimo em e5. Um efeito colateral do plano de Souza Mendes: o peão de g5 também ajuda o cavalo em e5. 21.f4?! Espantar o pocotó pode expor demais o rei branco. 21…gxf4 22.gxf4 Cg6 23.Ce2 d5! O famoso lance libertador! 24.e5 dxc4 25.Dxc4 Be6. É incrível como as peças pretas despertaram.

19…c5

Evita a abertura da coluna d e deixa o centro muito estável.

Talvez o preto pudesse deixar a coluna abrir com 19…Be7. Este lance também serve para o plano de Rh7 e Th8. 20.dxc6 bxc6 21.Td3. O plano do branco é simples: todo mundo batendo em d6! Em algum momento o preto vai precisar jogar c6–c5 e ceder a deliciosa casa d5 para o cavalo branco. No entanto, Be7 tinha um detalhe interessante. Ele permitia a manobra Cg6-f8-d4. 21…Cf8! 22.Ted1 Ce6 23.Ce2 c5 Não precisava ser agora. Podia esperar o branco colocar o bispo em a3. 24.Cc3 Cd4 25.Cd5 “Para conseguir casas, você precisa ceder casas” – dizem que este ditado é do Bobby Fischer.

20.Bc1 Be7

Captura de Tela 2017-03-26 às 18.13.44

Pare e pense!

O que você faria de brancas?

Considere o poder de cada peça. Se você conseguir trocar uma peça muito boa do adversário por uma problemática sua, você melhorou sua posição.

21.Td3

Agora que este centro ficou fechado, é bom para o branco trocar os bispos de casas brancas. 21.Bf3 Rh7 22.Bg4 Th8 23.Rg2. Após a troca dos bispos de casas brancas, o branco terá vantagem por ter o bispo bom.

21…Rh7 22.Cd1 Th8 23.Ce3 Rg8 24.Cf5 f6 25.Cxe7+?

Uma concessão grande demais para conseguir romper com f2–f4. O cavalo era muito superior àquele bispo.

Ainda gosto de 25.Bf3 -g4.

25…Cxe7 26.f4 Bxh3 27.Bxh3 g4 28.Dd1 Txh3+ 29.Rg2 Dc8 30.Th1

Se 30.f5 Cxf5! 31.exf5 Dxf5. O preto tem três peões pelo bispo, além das fortes ameaças

  1. a) 32…Dh7 e
  2. b) 32…Th2+ 33.Rxh2 Df2+ 34.Rh1 Rf7.

Captura de Tela 2017-03-26 às 18.15.56

Pare e pense!

Ótima defesa de Hélder!

O que você faria de pretas? Cuidado para não ficar pior

 30…Rf7?

Permite uma transformação estrutural que favorece o branco.

Era melhor. 30…f5! De imediato impede qualquer f4–f5, que pode isolar as peças pretas da ala do rei. Além disso coloca uma pressão incômoda em e4.

  1. a) Txh3? gxh3+ 32.Rh2 fxe4;
  2. b) exf5 é sempre ruim, pois ajuda as peças pretas a se centralizarem. 31…Txh1 32.Dxh1 Dxf5;
  3. c) 31.De2 Txh1 32.Rxh1 Cg6. O preto tem um peão útil a mais, e as peças pretas estão melhorando. Logo a torre preta poderá ficar forte em alguma coluna legal.

31.Txh3! gxh3+ 32.Rh2 Th8 33.f5

Isola o cavalo e a dama preta da ala do rei.

33…Dg8

33…Cxf5 34.exf5 Dxf5 35.De2 Desta vez o preto não tem nada pelo material sacrificado.

34.g4

A torre de d3 volta ao jogo.

34…Dh7 35.Tg3

35.Df1 é mais direto.

35…g6 36.Df3 gxf5

Depois de 36…g5!? 37.Txh3 Dxh3+ 38.Dxh3 Txh3+ 39.Rxh3 acho que não dá pra ganhar este final.

Também não gosto de 37.a3?! porque esta casa pode ser útil para o bispo ou a dama.

É melhor ir direto com 37.b4! e se 37… cxb4, então 38. Db3 com ideias de c4-c5 e Db3-a4.

37.gxf5 Dh5 38.Dxh5+ Txh5 39.Bd2

Se você perguntasse ao mestre Hélder por quê ele não comeu o peão agora, eu aposto que ele responderia: “Porque está na geladeira”.

39…Th4 40.Te3 Cc8 41.Be1 Th8 42.Txh3 Txh3+ 43.Rxh3 Cb6 44.Rg4 Rg7

O rei preto impede a invasão do rei branco.

45.Bd2 Cd7

Captura de Tela 2017-03-26 às 18.18.14

Pare e pense!

Final equilibrado não é final empatado!

O preto tem boas chances de empatar o final.

Qual plano para o branco dá mais chances de vencer? O que você tentaria?

O plano de Hélder tem várias etapas.

46.Rf3

Não dá pra passar pelo segurança da ala do rei. Vamos tentar a outra porta.

46…Cf8

É melhor imitar a caminhada do outro rei. 46…Rf7

47.Re2 Cd7 48.Rd3 Cb6 49.a3 Cc8?

A melhor casa para o cavalo era mesmo d7. Eu não sei qual é o último momento salvável para Souza Mendes, mas aqui o preto se esforça a perder. A principal causa das derrotas de finais equilibrados é pensar que eles são empatados. A mente que pensa que a partida está predestinada a um resultado fica preguiçosa e perde a sensibilidade do perigo.

 

50.b4 Rf7 51.Be3!

Provoca b7–b6, que deixa vias de penetração para o rei branco.

51.bxc5? consegue um peão passado inútil em d5, e ativa o cavalo preto. 51…dxc5 52.a4 Cd6. Daqui o cavalo atinge c4 e e4, imobilizando o rei branco. Logo, o branco não tem chances de vencer.

 

51…b6

51…cxb4? 52.axb4 piora para o preto, pois dá mais mobilidade aos peões brancos, e o peão de a7 se torna mais uma fraqueza. Por exemplo: 52…a6 53.c5 Re7 54.Rc4 Rd7 55.Bf2 Re7 56.Rb3 Rd7 57.Ra4 Re7 58.Ra5 Rd7 59.Bh4 Re7 60.c6.

52.Rc3 Re7 53.Rb3 Rd7 54.Ra4!

Ótima manobra para provocar a7–a6, que torna a4–a5 mais forte.

54…a6

O rei preto não pode seguir com 54…Rc7? por 55.Bh6 ganhando. Se tivesse um cavalo em d7…

55.Rb3 Re7 56.a4 Rd7 57.a5 Rc7 58.axb6+ Rxb6 59.Bg5!

Ganhando um peão importante.

59…cxb4 60.Rxb4 a5+ 61.Rc3 Rc7 62.Bxf6 Cb6 63.Bg5 Ca4+ 64.Rc2

Não 64.Rb3? por 64…Cc5+.

64…Cc5 65.f6 Cd7 66.f7 Rb6 67.Bh6 1–0

Uma vitória importante de mestre Hélder sobre o lendário heptacampeão Souza Mendes, no Campeonato Brasileiro de 1963, em que sagrou-se campeão.

Por hoje é tudo, pessoal!

MI César Umetsubo

 

 

Anúncios
Leia mais de Artigos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Observação: HTML é permitido. Seu endereço de e-mail nunca será publicado.

Assinar os comentários

%d blogueiros gostam disto: